sábado, 26 de janeiro de 2019

Por que Escolhemos Educar Nossos Filhos em Casa?




Há inúmeras razões para se escolher este caminho, e todas elas passam pelo desejo de dar o melhor a um filho. Conosco não foi diferente, mas hoje enxergamos esta missão com outros olhos e vou explicar aqui por que a visão mudou.

O tempo é bom mestre e conselheiro e, sabendo bem onde mergulhar, temos ao nosso alcance inúmeras oportunidades de crescimento. Ler e estudar sobre educação me trouxe uma certa bagagem, mas foi a FÉ quem me direcionou em outro sentido.

Aos poucos fomos melhorando as respostas às perguntas ora curiosas, ora inquisitivas. A socialização está sempre no primeiro lugar, mas desde que li este trecho no livro Homeschooling Católico, sigo repetindo-o sem negar à autora a brilhante definição:

"O termo "socialização" foi inventado pelos educadores porque já não conseguem "vender" as escolas por sua finalidade educacional, sendo necessário inventar outro motivo para elas existirem."

Sim, hoje me parece absurdo alguém acreditar em uma falácia como esta, uma falácia que arrebanha crianças cada dia mais novas para esse modelo completamente vazio de educação.
Acreditar que é apenas na escola que a criança se socializa é ignorar a existência de um mundo que gira fora dela, um mundo muito mais interessante, diga-se de passagem.

Alguns convívios DEVEM ser evitados, ainda que com crianças. Logo dirão: "Ah, mas a criança deve conviver com a diversidade!" As incontáveis diversidades que maculam e corrompem, que antecipam conteúdos, que direcionam para onde não devem.

Recentemente uma pessoa me questionou no Instagram sobre esta minha "segregação" e, misturando café com abacaxi, citou que Jesus não escolhia quem ficaria ao lado dele. Sabe, eu corro igual maratonista de gente que, para justificar sua discordância, cita a Bíblia de maneira completamente fora de seu contexto. Se for usar esta lógica, devo submeter meus filhos ao convívio de ladrões e prostitutas?

A verdade é que, hoje, eu tenho uma completa noção do que é uma escola, do que ela ensina e como o pouco que ensina ainda ensina de maneira errada. Temos muita porcaria misturada àquilo que realmente deveria ser ensinado. Com os indicadores educacionais públicos que não me deixam mentir, a escola hoje é o PIOR investimento que os pais podem fazer na vida de um filho! Mas, para mim, sair dela sem ler e escrever não é o pior mal. Sair com suas consciências corrompidas, para mim, é o mais grave de tudo, sobretudo porque não é a porcaria da escola que vai prestar contas destas crianças à Deus, mas seus pais.

Hoje, ainda que o ensino neste país se tornasse referência mundial em educação, seguiríamos com nossa boa e velha rotina, porque hoje eu entendo que a educação da prole é um DEVER de nós, pais.

"Os pais, que transmitiram a vida aos filhos, têm a GRAVÍSSIMA OBRIGAÇÃO de educar a prole e, por isso, devem ser RECONHECIDOS como seus primeiros e principais educadores."

Declaração GRAVISSIMUM EDUCATIONIS sobre a educação

Hoje eu já compreendo com uma percepção bem refinada algumas críticas. Não é a crítica pelo receio do que esta escolha pode fazer à criança, porque elas sempre chegam revestidas de uma preocupação falsa, que não esconde o mal que realmente está por trás dela. Quando isso vem de uma turminha formada em pedagogia em uma universidade federal, você até compreende... Mas quando parte de um "braço" da igreja, você tem certeza de que o chifrudo não está de brincadeira no serviço.

Por isso, sigo aqui com o que é velho, até mesmo com as antigas canções... Porque as novas... Acho que os entendedores entenderão.

Waleska Montenegro.











segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Calendário do Advento 2018

Eu não estava pensando em preparar o Calendário do Advento este ano, mas acabei mudando de idéia em cima da hora e estou aqui ainda correndo separando atividades para eles.

Este ano não preparei uma apostila como fiz no ano passado, apenas estou selecionando algumas coisas que colocarei no Drive para quem tiver interesse de ainda fazer.

Para o próprio calendário, que aqui eu uso ca contagem regressiva, peguei um "Countdown To Christmas" gratuito dos inúmeros que encontrei. Escolhi este, em particular, por possuir apenas os "personagens" do presépio, já que tentei ao máximo deixar o Papai Noel em um plano beeem secundário.

Atrás que cada cartão eu colei um Post It com a leitura e a atividade, pendurando-os em um pequeno varal que montei para este fim. Coloquei uma iluminação, a cestinha com os livros e um presépio e ficou assim, como vemos na foto.




Este ano eu dei preferência às leituras, orações e ao nosso convívio como família. Coloquei poucas atividades e dei preferência àquelas relacionadas àquilo que separamos para ler ou fazer no dia.

Para este ano, separei leituras mais longas para Sophia e Gabriel como a própria história de São Nicolau que lemos logo no primeiro dia e que foi retirada do livro Legenda Áurea. Além desta história, separei para os maiores ainda:

 - A Vida de Nosso Senhor, de Charles Dickens;
 - Contemplar o Natal, de Francisco Faus;
 - A Menina dos Fósforos, do Livro da Virtudes I;
 - O Soldadinho de Chumbo, do Livro das Virtudes I;
 - São Nicolau e as Barras de Ouro, do Livro das Virtudes I;
 - A Lenda do Menino Jesus, do Livro das Virtudes II
 - Cartas do Papai Noel, de Tolkien;

Para Beatriz, separei muitos livrinhos que li com os maiores no Advento do ano passado e acrescentei mais um ou outro que comprei para ser novidade já que os maiores também gostam de ouvir a leitura dos livros que separei para ela mesmo já tendo ouvido um milhão de vezes.
Vou deixar listado aqui os que separei para este ano:

 - Naquela Noite de Natal, de Tim Dowley;
 - A Estrela de Natal, de Marcus Pfister;
 - O Expresso Polar, de Chris Van Allsburg;
 - A Rainha da Neve, de Hans Christian Andersen;
 - O Maior dos Presentes - A História do Outro Rei MAgo, de Susan Summers;
 - O Pinheirinho de Natal, de Hans Christian Andersen;
 - O Nascimento de Jesus ( Temos três livros com este mesmo título, das editoras DCL, Bicho Esperto e Ciranda Cultural);
 - A Véspera de Natal, de Clement Clarke Moore;
 - Uma Noite Sem Igual, da Ana Maria Machado;
 - O Natal do Carteiro, de Janet & Allan Ahlberg.

Para atividades, separei uma imagem da Coroa do Advento para irmos pintando as velas a cada Domingo, uma visita ao Presépio dos Arautos do Evangelho em Recife, confeccionar e colocar nos correios os cartões de natal, preparar a carta do Papai Noel, alguns filmes para assistir ( O Natal de Ângela, Milagres no Paraíso, A Estrela de Belém), ver vídeos de corais de natal, preparar enfeites para a árvore, nossa Novena de Natal... E por aí vai!

Além destas, eles ainda trabalharão as orações em Latim com o pai, memorizando o Adeste Fidelis. 

Enfim, dei mais prioridade ao nosso convívio e a uma maior preparação espiritual para o tão esperado dia.

Espero que ajude!

Fiquem com Deus e um bom Advento para todos nós!

Waleska Montenegro.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Meu Menino Sanguíneo




É bem verdade que cada filho vem com a tarefa de nos aperfeiçoar em determinada área, nos fazendo melhores a cada dia. Por aqui isso não é diferente, mas hoje eu quero falar de um deles em particular, porque ele diariamente testa todos os nossos limites.

Sempre que escrevo sobre ele, recebo um monte de mensagens de outras mães com filhos também sanguíneos. E se por um lado me escrevem relatando as infinitas frustrações que experimentam por falharem com eles nesse constante testar de limites, por outro são unânimes em descrever a sensibilidade e o coração destes anjos.

Gabriel é 200% sanguíneo, se é que me entendem... Inquieto, hiperativo, esquecido, distraído, cheio de tiques e manias, fala muito, alto e rápido, bate em tudo e derruba quase tudo também, é inconveniente, resistente, teimoso, preguiçoso, reclamão ao menor sinal de desconforto, finge necessidades quando senta para estudar... Enfim, sempre que eu sento para ler sobre crianças sanguíneas em algum livro sobre temperamentos, ele se encaixa em todas as descrições.

Já li alguns livros sobre o assunto e sigo procurando alternativas de melhor convívio para direcioná-lo nestas suas características que tanto exigem de mim e que, se não forem corrigidas ou controladas, poderão lhe trazer alguns inconvenientes, alguns problemas...

Trago Gabriel sempre na rédea curta, bastante atenta às pessoas que o cercam e sempre de olho nas suas características que tendem a vícios. Já percebi que ele funciona na base do empurrão, mas se por um lado estou sempre fazendo-o dar um passo, no outro preciso compensar a mão para não estimular-lhe a sua já característica preguiça. Nosso convívio é como tentar equilibrar os pratos de uma balança, sempre dosando para nem frustrar pelas exigências acima de suas capacidades nem deixá-lo trabalhando justamente em sua zoninha de conforto, porque se assim for, ele cria raízes nela.

É uma vitória a cada dia! Uma vitória onde eu, além de ter que guiá-lo neste processo, preciso aprender também a conviver com todas as limitações do meu temperamento 200% colérica. Hoje eu tenho certo que a "vitória" sobre Gabriel virá quando eu conseguir primeiro me vencer, me dominar, ser justamente o espelho que ele necessita. A  calma que não tinha, mas que continuo perseguindo com ousadia, hoje já dá sinais de existência no convívio pacífico com alguns comportamentos dele que antes tanto me irritavam. Hoje eu o compreendo não apenas movida pelo amor, mas também pelo conhecimento, sabendo que muitas vezes fui injusta com ele achando que estava me faltando com respeito quando, na verdade, estava apenas sendo ele.

Gabriel é meu anjo, é minha luz... E hoje eu sei claramente o que ele veio trazer à minha vida, o que Deus quer mudar em mim através deste menino de coração tão generoso, sensível e BOM. Gabriel é esse turbilhão que nos testa todos os limites e que nos coloca no eixo com suas declarações e colocações tão profundas e verdadeiras. Ele é lindo por fora, perfeito em seus traços, mas seu coração é o que ele tem de mais belo.

Sanguíneos são assim: esse constante bate e assopra! E eu sigo aqui, apanhando quase todo santo dia, mas cada dia mais consciente de que eu sou a sua melhor bússola, por mais imperfeita e limitada que eu seja... Somos assim, perfeitos um para o outro até mesmo nas nossas imperfeições (ou justamente por elas).

Waleska Montenegro.



quarta-feira, 18 de julho de 2018

Maternidade, Amor ou Sacrifício?




Algumas coisas em educação infantil sempre me pareceram muito óbvias, ainda que contrárias à grande tendência atual. 
Eu costumo dizer que em matéria de maternidade, muita coisa é intuitiva, e, ainda, muito pitaco mais atrapalha do que ajuda, por isso sempre tive em mente que eu tomaria as rédeas por mais inexperiente que eu fosse. 
Na questão dos estudos, em específico, sempre foi consenso aqui em casa que só colocaríamos as crianças na escola depois dos 6 anos, pela própria questão da formação do caráter e de tudo que estes preciosos anos representam para o resto de suas vidas. Mas quis Deus que esse adiamento se prolongasse mais, tornando-se, hoje, nossa opção de vida - e morte, se necessário for. 
Não foi uma escolha fácil, mas foi extremamente consciente. E quando digo consciente, digo com relação a todas as implicações que ela traria para nossas vidas, implicações que, confesso, nem todo mundo está preparado para enfrentar. 
Eu não sou mestre em Homeschooling, acho que nunca serei. Não me sinto preparada para assumir, como algumas pessoas já me sugeriram, uma postura de coach neste assunto. Portanto, jamais direi aqui como alguém deve fazer, como deve começar, o que é certo ou errado. O máximo que continuarei a fazer é justamente isso, partilhar COMO eu faço e cada um, de acordo com seus valores, sua realidade e rotina, se encarrega de aplicar do jeito que melhor for. 
Mas eu posso dizer, de coração, que não escolha este caminho se você não tiver certeza dele... E quando eu digo certeza, eu não digo com relação ao que é melhor para seu filho, mas, principalmente, do quanto você está disposta a mudar e se doar para que esta escolha funcione.
Das muitas queixas e dúvidas que me chegam on line ou ao vivo, a mais recorrente delas é a paciência, ou a falta dela. São pessoas que chegam para me dizer que gostariam de ter a paciência que eu tenho. Eu rio, intimamente, rio tanto que se elas pudessem escutar minha alma eu até me envergonharia! 
Quando vejo alguém fugir de uma escolha ou responsabilidade por não se julgar capaz de mudar eu penso como deve ser difícil para esta pessoa conviver com o peso desta omissão...  Sim, omissão, porque se você sabe o que é melhor para o seu filho e, mesmo assim, segue procrastinando essa decisão por comodismo ou covardia, sua consciência, em algum momento, vai te pedir as contas.
Hoje, depois de pouco mais de dois anos de nossa escolha, depois de mergulhar de cabeça neste universo, posso dizer que não imagino outra vida para nossos filhos. Hoje, depois de desconstruir todos os mitos e falácias que cercam quem opta por este estilo de vida, posso afirmar com toda certeza do meu coração que não existe NADA, exceto Deus, que me impeça de seguir. Há dias mais difíceis, mas nada diferente ronque vejo em casas onde as crianças passam o dia inteiro fora.
Paciência é algo que sempre nos faltará e não é pelo fato de termos crianças 24h em casa, mas sobretudo pelas exigências que a vida acabou por depósitar em nós.
Eu sigo na minha luta pela temperança, e faz parte dela diminuir o ritmo, diminuir as cobranças desnecessárias, reorganizar as prioridades, abrir os porões e de lá retirar o resto do lixo que por décadas eu acumulei, quebrar os cristãos que ainda faltam e limpar as prateleiras para que o novonpossa ocupá-las.
Foi assim que tudo aconteceu... É assim que diariamente acontece! E o que posso mais dizer, exceto ser uma prova viva de que esta escolha não fez, faz e fará bem apenas aos nossos filhos...
Eu sou o testemunho do que o amor é capaz de fazer, daquilo que, por este amor, somos capazes de sacrificar... E afirmo com toda arrogância que eu puder ter: se um filho não mudar você, nada mais mudará!
Maternidade não é amor e sacrifício; maternidade é AMOR! Porque é justamente no sacrifício que este amor está ainda mais presente!

Waleska Montenegro.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Socialização.



Dos inúmeros espantos que as pessoas demonstram quando digo que nossos filhos estudam em casa, a socialização está em primeiro lugar. Não parece estranho que, ao falar em estudar, as pessoas só se preocupem com a parte “social” do processo? NUNCA, e nunca é uma freqüência beeem considerável, ninguém perguntou: E eles aprendem? E eles já estão alfabetizados?

A falácia da socialização cai por terra quando estou com eles em algum lugar e eles se destacam pela desenvoltura e pelo comportamento ABSOLUTAMENTE igual ao de outras crianças. O problema da socialização não está em retirar as crianças (ou nunca colocá-las) em escolas, é muito mais profundo e vem sendo trabalhado tão sutilmente que as pessoas entram no jogo sem sequer saber das regras, lembrando, também, que estas regras mudam de acordo com quem as dita.

Assim, quando uma mãe que tem apenas um filho, que mora em apartamento, que deixa a criança o dia inteiro em frente a uma TV, que compra a coleção completa de "O Diário de Um Banana" vem com essa lorota para cima de mim, não tem como ser sutil e compreensiva não, tem que dar a ela um choque de realidade mesmo, porque ouso afirmar que 99% dos problemas de "socialização" das crianças é facilmente resolvido com um irmão, e não é "irmão de quatro patas" não, viu?

Mas a coisa foi tão bem feita que hoje em dia é impensável ter mais de dois filhos "porque eu quero dar o que eu não tive e um pouco mais", e aí, realmente, não tem como segurar a onda não... Porque para sustentar escola, inglês, kumon, judô, balé, natação, formatura de ABC nível Dubai, mochilinha anual do personagem da Disney preferido e os infinitos modismos consumistas que cobram 100 reais por uma boneca de 5cm e 300 em um tênis de neon, pais e mães apenas trabalham, transferindo suas rendas em favor deste capricho que acreditam ser o melhor para seus filhos.

A catástrofe resultante deste modelo já é vista há algumas gerações, só não acorda quem não quer! Mas é muito mais simples seguir os padrões e repetir o discurso! O problema é que a conta, quando vem, é rateada para todo mundo, mas sobretudo para esta criança, que cresce tendo TUDO em abundância exceto seus pais... 

Waleska Montenegro.

terça-feira, 10 de julho de 2018

Lar.




Das muitas coisas na vida pelas quais devemos nos esforçar, transformar nossa casa em um lar deveria estar na nossa lista de prioridades. Eu demorei um pouco a perceber isto, mas das inúmeras salvações que nossos filhos já operaram em mim, libertar-me do egoísmo está entre elas.

Ao libertar-me do egoísmo e imbuir-me deste amor imenso, nada além de uma vida ao lado deles faria sentido, ainda que repleta de dores e sacrifícios. Os sacrifícios do dia a dia passam a ter outra cor e outro sabor quando experimentamos a graça de Deus. Só mesmo Ele é capaz de nos fazer livres de tantos grilhões, mas parece que Ele usa os filhos como os portadores das chaves, o que ameniza muito a dor de todo este processo.

Eu olho para nossa casa hoje e percebo que ela não é apenas uma construção: ela é um templo sagrado, onde trabalho diária e constantemente pela nossa família. É aqui onde celebramos o amor e o perdão diariamente, onde experimentamos a providência de Deus a nos sustentar... Aqui, construímos altares para transmitir a eles a nossa fé por herança, um lugar que mistura o cheiro do café com o da vela ou do incenso queimando. Por aqui o processo veio na contramão, com a decisão de salvá-los até mesmo antes de nós. Mas, ao decidir salvá-los, estamos, dia a dia, salvando a nós mesmos...

Se você ainda não sabe por onde começar, taí um bom ponto de partida: comece transformando a sua casa em um LAR! 

Waleska Montenegro.

Sobre Desistir...



Um dos maiores obstáculos a vencer na Educação Domiciliar, a meu ver, é conseguir conviver quase diariamente com frustrações... É a criança que não está a fim de determinada atividade, ou a gente que acaba planejando algo que elas ainda não alcançam, ou já alcançaram e a tarefa ficou entediante...

Eu costumo ter sempre cartas na manga e não me intimido de mudar todo o planejamento do dia quando encontro qualquer destas resistências. E, acreditem, com o tempo a frustração passa a ser menos freqüente, a gente passa a planejar com mais precisão, a criatividade flui e encontramos boas freqüências para caminhar um tempo sem tanto cansaço.

Aos poucos eu me disciplino na ternura, em uma compreensão cada dia mais profunda de suas limitações, de seus jeitinhos únicos, ímpares de aprender. Hoje eu não consigo imaginar outra palavra melhor para definir isso tudo que não seja esta:  GRATIDÃO!

Eu cresço com eles dia a dia, experimentando este amor que me cura e me refaz, que me conduz por desertos mas, sobretudo, que me faz experimentar os mais deliciosos e tranqüilos oásis.
Sim, eu experimento o céu todos os dias! 

E, se em alguns dias eu penso em parar ou desistir, se em alguns dias as razões para desistir pesam mais, eu olho para aquela única que eu preciso para seguir: o amor!

E então sigo... 

Waleska Montenegro.

Sobre Conteúdos...


Há momentos em que parece difícil acreditar na possibilidade de apresentar determinados conteúdos para eles... É que praticamente fomos moldados com formas engessadas de que a criança não alcança determinada linguagem. Eu não canso de me impressionar com a facilidade de assimilação deles, sobretudo com a memorização de poesias e textos. É surpreendente! 

Por isso, eu tenho substituído TUDO que é possível substituir por conteúdos mais ricos, nas atividades mais básicas. Paramos o caderno do futuro e começamos a elaborar atividades com fábulas, poesias, versículos bíblicos... Textos que enriquecem inclusive a nós, cuja educação mais parece uma peneira de tão furada. 

Poderia ser mais simples? Poderia! Poderia ser menos trabalhoso? Poderia! Eu poderia simplesmente pegar um livro didático qualquer e seguir, mas estaria incorrendo no erro de trazer a escola para dentro da minha casa, limitando o horizonte de nossos filhos aos padrões ditados por um órgão incompetente, órgão este que JAMAIS definirá uma linha sequer do conteúdo que eu devo ministrar a eles. 

Seguimos por aqui em uma velocidade cada vez menor, mas cada dia mais produtiva. Não temos pretensões de formar gênios; temos o DEVER de formar Santos! 

Que Deus nos abençoe!

Waleska Montenegro 

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Temperamentos

Eu não me acho preparada para ficar falando sobre temperamentos, mas posso, aqui, fazer um breve relato de como aprender um pouco sobre este assunto me ajudou no convívio com as crianças.
A primeira vez que escutei falar sobre temperamentos foi em uma aula do Rafael Falcon (As Crianças e o Trivium - link AQUI). Até então, temperamento, para mim, era sinônimo de humor, só que um pouco menos mutável.
Despertado o interesse, comecei a pesquisar sobre o assunto. Isso foi em 2014, logo que começamos a pensar em educação domiciliar. Comprei um livro da Editora Quadrante, Conheça Seu Filho, de Anna Maria Costa. Ali eu consegui saber bem por alto quais eram os tipos de temperamentos, alguns pontos fortes e fracos, mas permaneci completamente perdida, porém MUITO interessada no assunto.


Comprei, então, o livro Temperamento Controlado Pelo Espírito, de Tim Lahaye. Este livro me fez entender melhor sobre cada temperamento e me fez enxergar algumas características em cada pessoa daqui de casa. Meu desejo não era apenas "enquadrar" cada um, mas sobretudo trabalhar seus pontos fortes e fracos usando-os sempre a nosso favor. Esta peregrinação me fez conhecer e compreender meu temperamento, o que já ajudou MUITO na minha relação com as crianças. 



A questão do temperamento, mais do que me ajudar a compreender o dos nossos filhos, me fez entender o meu e, assim, tentar sabotar minhas fraquezas ao ponto de mantê-las controladas. Depois de ler estes dois livros, ainda havia (e óbvio que ainda há) lacunas que eu não compreendia e, tão pouco, sabia como preencher. Foi quando eu assisti uma aula do Dr. Ítalo Marsili do curso Afetividade e Harmonia Familiar (Link para o Curso AQUI) que, ouso dizer, foi um marco para o entendimento dos temperamentos das crianças, sobretudo o de Sophia, cujo traço melancólico eu ignorava.

Prossegui o meu estudo com um PDF do Rev. Conrado Hock que alguém me enviou no Instagram. Com uma linguagem bastante simples, este PDF agregou mais algumas informações importantes para que eu me conhecesse e conhecesse melhor os meus. Consegui encontrar o PDF gratuito na internet, por isso disponibilizei ele no meu Google Drive (AQUI). 

Mais do que fazer um estudo comparado com os diversos livros que li, o meu estudo busca tão somente o conhecimento necessário para meu crescimento e para que eu possa me servir inclusive de minhas fraquezas neste processo. Eu olho para o temperamento como uma herança irrenunciável e, portanto, algo que preciso conhecer e tentar manter sob controle. Se para mim este caminho é por demais difícil, que dirá para as crianças, que contam com o tempero da imaturidade para dificultar ainda mais o processo.

Na seqüência de leituras, veio Como Desenvolver o Temperamento de Seus Filhos. Neste livro encontrei descrições tão precisas que por vezes pensei que a autora estivesse falando ora de mim, ora de nossos filhos. Foi um livro muito difícil de encontrar (consegui no Mercado Livre), mas que valeu cada centavo de tempo e dinheiro investidos. Um dos pontos positivos deste livro, para mim, foram as descrições dos temperamentos mistos. Embora tenhamos um temperamento predominante, o conhecimento deste secundário pode ser a chave para "Abrir as portas da Esperança". Aqui, com Sophia, isso foi FUNDAMENTAL e, desde então, lido com muito mais jogo de cintura com as suas "crises".



Em Temperamentos Transformados, Tim Lahaye nos apresenta quatro personagens bíblicos como exemplo para a mudança possível e desejada. Nos alimenta da esperança de que "Deus não está tão interessado em mudar circunstâncias, como em transformar pessoas". Este livro me fez acreditar que muito mais do que apenas manter meu temperamento sob controle, Deus pode mudá-lo, lembrando sempre que "esta mudança não depende do conhecimento dos quatro temperamentos, mas da plenitude do Espírito". 




Ainda tenho outras obras para ler por aqui, mas por enquanto dei uma breve pausa para suprir lacunas mais urgentes. Com o conhecimento que este breve estudo me trouxe, pude observar uma mudança considerável em mim e na minha forma de conduzi-los no nosso cotidiano. A simples forma de falar já pode ser um ponto gatilho e, ao identificá-lo, evito os incêndios ao invés de correr para apagá-los. 

Compreender o lado melancólico de Sophia me trouxe uma paciência nunca experimentada, ainda que em determinados momentos de conflitos eu praticamente esqueça das orientações e acabe tendo que trabalhar de maneira corretiva e não preventiva. Com Gabriel, aprendi a ceder sem achar que estou sendo fraca, dividindo com ele as escolhas, fazendo com que a sua resistência à cooperação, assim, diminua um pouco. Já Beatriz, ainda segue sem um enquadramento específico, ainda que eu já tenha minhas suspeitas.

A verdade é que tão - ou mais - importante que o conhecimento do temperamento deles, conhecer o meu próprio foi fundamental no nosso caminho da Educação Domiciliar. Porque nada é mais eficiente que o exemplo. O caminho a percorrer ainda é tão grande que eu sequer vislumbro o final, se é que ele existe. Mas eu já consigo colher alguns frutos e visualizar alguns avanços no nosso dia a dia. Se antes o remorso e o arrependimento eram meus companheiros quase inseparáveis por conta de meus rompantes coléricos, hoje eu já sobrevivo vários dias sem experimentá-los. Agradeço eu, agradecem eles e agradece também a nossa família que, embora MUITO distante do desejável, segue buscando melhorar a cada dia.

Que Deus siga nos transformando para que possamos, através do Seu agir em nós, encontrar a Paz que excede todo o entendimento. 

Fiquem com Deus!

Waleska Montenegro.




domingo, 18 de março de 2018

Planejamento 2018 - Beatriz


É certo que o planejamento é algo para nos guiar, mas eu sempre costumo mexer nele de acordo com o andamento real das atividades.
Beatriz tem nos impressionado pelo seu interesse e, conseqüentemente, pelo seu avanço, cumprindo as etapas planejadas em menos tempo que o previsto. Por isso, tive que reformular algumas coisas por aqui para adequá-las à pequena.
Há dois dias ela venceu mais um dos cadernos que elaborei para ela com atividades de Coordenação Motora Fina e Traçado. Embora ela não goste muito de cobrir os pontilhados, tenho me aproveitado da sua paixão por "labilintos" para firmar ainda mais sua mão. O resultado tem sido positivo!
Por isso, além dos livros que mostrarei, tenho usado também algumas apostilas com atividades que retiro da internet (que já falei neste post aqui) e o material do curso de pré-alfabetização do curso do Professor Carlos Nadalim.
Para este ano, separei estes livrinhos para trabalhar com ela:

1 - Workbooks do Kumon: Aqui trabalharemos lógica, percepção visual, coordenação motora fina, identificação de letras e números... Acredito que quase todos estes livros já foram mostrados em posts no Instagram ou foram citados em algum dos posts ( Aqui e Aqui) sobre estes workbooks que já fiz para este Blog. 


















2 - Workbooks da Gaaken - Estes livros seguem a mesma linha dos workbooks do Kumon, mas aqui em casa eles ficaram apenas na primeira remessa. Embora adequados à idade de Beatriz, achei as atividades relativamente fáceis para ela. Os livros possuem uma linda apresentação, com atividades similares aos do Kumon, mas sem a organização e o nível que estes últimos possuem. Considerando que o preço é muito próximo dos livros do Kumon, seguirei investindo nestes últimos.


3 - Livros de Adesivos: são livros com atividades diversas, que utilizam adesivos para aumentar vocabulário, estimular a percepção visual, a coordenação motora fina. São ideais para aqueles dias em que ela não quer pegar no lápis ou para os finais de tarde sem TV. Estes eu comprei na Livraria Cultura. 





4 - Livros Para Colorir - aqui a ideia é só ir cada vez mais limitando a pintura dela à figura.




5 - Livros Apagáveis - Estes livros podem ser utilizados com lápis para quadro branco e são uma excelente alternativa para variar a aula. 



6 - Atividades de Traçado - Aqui temos muitas atividades com pontilhados, de ligar os pares, encontrar as diferenças, ligar as sombras... Este é da Editora Vale das Letras e eu gosto muito.


7 - School Zone - Os livros desta editora são muito coloridos e divertidos. Temos vários aqui em casa que sempre compro quando encontro em promoção. A variedade é enorme! Assim como os do Kumon, os livros trazem uma série de atividades diversas que exploram percepção visual, introdução a números e letras, formas geométricas... Alguns eu encontrei na Amazon daqui, mas não há tanta variedade como na Amazon dos Estados Unidos.





Além destes livros, ela ainda possui um caderno da Bíblia que eu sigo alimentando à medida que vamos vendendo as Histórias ( No momento estamos terminando as atividades da Criação para iniciar as da Arca de Noé), um outro com atividades de lógica no estilo recortar e colar, atividades avulsas da Escala Cuisenaire, de poesias, contos e fábulas que eu estou sempre disponibilizando no Drive... Enfim, como todo planejamento, o dela não é engessado e vai sendo reorganizado sempre que surge a necessidade.

Seguimos avançando nas atividades de pré-alfabetização do curso do Professor Carlos Nadalim, com exercícios de Consciência Fonêmica, Memória de Curto Prazo, Orientação Temporal e Espacial, entre tantas outras.

Espero que este post tenha ajudado.

Fiquem com Deus.

Waleska Montenegro.





segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Planejamento 2018 - Sophia e Gabriel.



Depois das férias e de uma rápida avaliação do planejamento do ano passado, seguimos por aqui avançando no planejamento para este ano.

Considerando os resultados alcançados com as crianças, daremos mais uns passos tentando, ao máximo, seguir a linha da Educação Clássica.

Este ano, teremos como base as cinco primeiras Estâncias do Canto I, ou seja, aprofundaremos os estudos das outras disciplinas nas Estâncias 1 a 3 (vistas no ano passado) avançando até a Estância 5 e ramificando para as outras disciplinas com base no texto original.

Assim, preparei inicialmente uma revisão de todo o conteúdo visto ano passado, que deverá ser concluída até meados de fevereiro, quando, então, abriremos para novos conteúdos.

As revisões estão sendo elaboradas e ficarão disponíveis em uma pasta pública no meu Google Drive (Aqui). Até a presente data, finalizamos as Estâncias 1 e 2.

Para este ano, separamos mais ou menos assim:

1- Memorização

Com relação ao texto original, finalizar o ano com as cinco primeiras Estâncias do Canto I memorizadas (eles já memorizaram as três primeiras no ano passado). 

2 - Português:

Prosseguiremos nas regras de separação de sílabas gramaticais utilizando, para isso, palavras do próprio texto. Por exemplo: Escolhemos a palavra Assinalados e e trabalhamos a regra para palavras escritas com "SS", e assim por diante;

Trabalharemos na identificação dos Verbos e Substantivos sem detalhar as classificações, apenas para que saibam o que é um e outro;

Exercícios de Caligrafia, Cópia e Ditado com o texto original;

Iniciar o estudo da Prosódia (Contagem de sílabas gramaticais e poéticas).

3 - Matemática:

Números Ordinais e Cardinais;

Algarísmos Romanos;

Adição e Subtração;

Introdução à Multiplicação;

Sólidos Geométricos;

Medidas de Comprimento e Peso;

4 - Geografia:

Os Continentes e seus países;

Mares e Oceanos;

Acidentes Geográficos;

Relevos.

5 - História:

Embarcações;

As conquistas de Alexandre;

O Império Romano (Aqui está a brecha para a Introdução do estudo do Cristianismo);

O Império Grego.

Há previsão de iniciar alguma coisa sobre o Egito quando, no estudo do Império Romano, citarmos Cleópatra.

6 - Mitologia Greco-Romana

Seguiremos no estudo da Ilíada, da Odisséia e na leitura do livro Antígona;

Deuses  e Mitos Gregos;

Deuses e Mitos Romanos;

7 - Ciências:

O Sistema Solar;

Classificação Taxonômica dos Seres Vivos;

8 - Artes:

Pinturas e Esculturas. Neste ponto, em particular, gostaria de destacar que, considerando a brecha que se abrirá para a introdução do Cristianismo, utilizaremos MUITO a Bíblia Ilustrada que temos para apresentar as obras representativas das passagens que estudaremos com memorização do ano, do pintor e a sua respectiva localização na Linha do Tempo.

9 - Música:

Estudo dos Mestres da Música contemporâneos aos artistas cujas obras de arte estudaremos.

10 - Idiomas:

Latim - Todo o estudo do Latim está sendo feito tendo por base nas orações. Inicialmente, o trabalho é de memorização, caligrafia e cópia.

Inglês - Ainda não encontramos o ritmo, mas considerando alguns projetos que temos em mente, o inglês precisará ser estudado com maior freqüência.

Além do estudo dos Lusíadas, seguiremos na leitura da Bíblia, aproveitando a brecha que se abrirá para estudar o Cristianismo e suas origens quando formos estudar o Império Romano.

Não é um conteúdo engessado, é apenas a nossa matriz, considerando que destrincharemos mês a mês o que será visto em tempo oportuno.

No momento, estamos na revisão do conteúdo dos Lusíadas que vimos no ano passado, mas já iniciamos a leitura das Estâncias 4 e 5 e retomamos a leitura da Bíblia.

É isso.

Fiquem com Deus.

Waleska Montenegro.








sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Formação Intelectual e Educação Classica - Livros




Aos poucos vamos caminhando na linha da Educação Clássica e saindo de nossa ignorância crônica. 
Eu sabia que, ao escolher este caminho, eu teria muito mais trabalho, sobretudo para vencer meu completo analfabetismo em matérias como História e Geografia. Tenho sofrido, mas tem valido a pena.

Quem escolhe o caminho do saber precisa ter em mente que não há dia para estudar pois estudar não é obrigação, é prazer, desejo... Por isso, aqui em casa, sempre fazemos algo mesmo nos finais de semana, seja uma leitura, uma pintura ou algum exercício que elaboro com o fim de estimular, neles, esse prazer que já existe em mim.

É que, por aqui, já superamos a idéia errônea de que estudamos com o fim de alcançar um ofício. Aqui, estudamos para elevar a alma, para nutri-la de valores que nos ajudarão a caminhar pela vida, para adquirir cultura  e desenvolver o espírito. Estamos longe de padrões, notas e gabaritos, graças ao bom Deus.

Como postei no Instagram, este ano eu fiz meu plano de leitura querendo me aprofundar mais no estudo da Educação Clássica. Adquiri alguns livros, separei outros que estavam rompendo anos na lista de espera, outros que eu havia começado e parado...  Enfim, resolvi realmente mergulhar neste universo a fim de poder trazê-lo, o mais próximo do original possível, para dentro da nossa casa.
Neste post, vou listar alguns dos livros que conhecemos sobre o assunto. Alguns nós já lemos, outros serão lidos este ano e outros ficarão para o próximo... Lembro que NÃO é uma lista de RECOMENDAÇÕES, já que alguns nós nem lemos ainda, é uma lista do que temos aqui com alguma descrição daqueles que já lemos.

Algumas obras não possuem tradução, o que torna a leitura mais lenta, mas são livros bastante recomendados, por pessoas que realmente sabem do que estão falando e, por isso, são leitura obrigatória por aqui e uma excelente forma de aprender e/ou aprofundar no idioma.

Mas vamos ao que interessa!

1 - Homeschooling Católico - Mary Kay Clark


Lançado pela Editora Concreta e tendo como coordenadora do projeto Camila Abadie, o livro é um verdadeiro TESOURO para quem está começando no Ensino Domiciliar. Foi uma leitura fundamental para compreendermos a importância do nosso papel na educação de nossos filhos e, mais, no dever de proteger a nossa fé para que eles jamais se desviem do caminho de Deus. O livro é uma porta de entrada para um estilo de vida que ultrapassa a fronteira da formação intelectual pois nos alimenta com a certeza de que, ao vencer as limitações e dificuldades deste caminho, estamos, paulatinamente, construindo a escada que nos conduzirá à salvação.




2 - Teaching The Trivium - Harvey e Laurie Bluedorn

Outro livro ESPETACULAR!!! Aqui temos o original, em inglês, por onde estou seguindo a leitura depois de ter lido o primeiro volume traduzido lançado pela Editora Monergismo. Neste livro, além da abordagem cristã, os autores falam também da Educação Clássica. Este livro me ajudou (e tem ajudado) muito a compreender o Trivium já que eu não consegui seguir na leitura do Trivium da Irmã Miriam Joseph. 




3 - O Que Fazer do Seu Filho - Monsenhor Álvaro Negromonte

Nesta obra, Monsenhor Álvaro Negromonte fala da forma mais clara possível como deve ser a formação intelectual de nossos filhos. Uma leitura clara, simples e objetiva que mostra que a verdadeira formação envolve a educação física, intelectual, e moral. Em síntese: "Cuidar do corpo para servir à alma; cuidar da inteligência para servir à vontade; cuidar da vontade para servir a Deus."



4 - The Well Trained Mind - Susan Wise Bauer

Um clássico para quem deseja seguir o caminho da Educação Clássica Domiciliar. Já li alguns capítulos escolhidos por assunto, mas este ano vou ler desde o começo e na seqüência. Além das inúmeras recomendações de quem já leu e entende do assunto, o pouco que li me fez entender porque é tão bem recomendado.



5 - Como Educar a Sua Mente - Susan Wise Bauer

Da mesma autora do The Well Trained Mind. Ainda não lemos por aqui, mas a autoria já impõe respeito. 



6 - A Vida Intelectual - A. D. Sertillanges

Um livro daqueles que esvazia um conjunto de marcadores! Comecei há algum tempo e estava bem avançada na leitura quando algum outro livro mais urgente passou à frente. Vou recomeçar desde o início, meditando cada página, como deve ser feito. Um livro que alimenta o espírito e eleva a alma!



7 - Como Ler Livros - Mortimer Adler e Charles Van Doren

Considerando meu nível de analfbetismo, este livro será uma excelente ferramenta para descascar as escamas da ignorância que tapam meus olhos. Por aqui o marido já leu e, considerando o tanto de marcações que ele fez, acho que terminarei o livro com ele copiado quase por completo em meu caderno de anotações. 



8 - A Arte da Leitura - Mortimer Adler e Charles Van Doren

Um livro que me mostrou de forma clara e assustadora como sou ignorante! Este livro traz uma série de 13 diálogos onde os autores falam, com a maior naturalidade possível, sobre livros que eu já deveria ter lido há no mínimo 20 anos e sobre outros tantos que eu nunca sequer ouvi falar.



9 - O Trivium - Irmã Míriam Joseph

Comecei mas não consegui acompanhar a leitura e, por isso, adiei o projeto. Não será ainda este ano, mas ao folhear para fazer este post fiquei um pouco mais feliz ao constatar que, pelo menos, não me soa completamente estranho ler sobre Artes Liberais. Ainda preciso comer muita farinha, mas o dia dele vai chegar!



10 - O Quadrivium - Organizado por John Martineau

Aplica-se a este o mesmo comentário do Trivium.



11 - Catecismo da Educação - Abade René Bethléem

Obra riquíssima, um verdadeiro tesouro! São várias páginas de profundos ensinamentos e conselhos para educadores e educandos. Ultrapassa a barreira da educação como conceito apenas intelectual pois, assim como Monsenhor Álvaro Negromonte, divide a educação em física, intelectual e moral. 



12 - Como Falar, Como Ouvir - Mortimer J. Adler

Livro comprado apenas pelo peso do autor. Ninguém aqui em casa leu ainda mas, a considerar TUDO o que já lemos de Mortimer Adler, não tem como esperar pouco de uma obra dele.



13 - Charlotte Mason Companion - Karen Andreola

Deixei-o por último porque ler este livro está sendo uma experiência riquíssima para mim. Por ser em inglês, leio bem devagar, meditando cada palavra para tentar alcançar o melhor sentido que ela tenta exprimir. Conhecer Charlotte Mason através deste livro tem sido transformador! Espero um dia conseguir alcançar o patamar da gentileza e da delicadeza no ensinar. Este livro tem me acompanhado há alguns meses, e assim seguirá, sempre em paralelo com alguma outra leitura, até que eu o termine. O tipo de livro que você deseja terminar mas que enrola para não ter saudades quando chegar ao fim. 



Além destes, ainda temos por aqui o Trivium Clássico e o Considerações sobre a Educação Seguidas de Pedagogia Infantil, mas sobre estes nada tenho a dizer pois nem eu nem o marido lemos. Compramos pelas referências e pelos temas que, afinal, são de nosso interesse.





Enfim, o caminho é longo, mas o prazer está em cada etapa dele. Espero que esta pequena lista ajude quem, como nós, está no comecinho dele.

Que o Senhor nos abençoe e capacite!

Waleska Montenegro.