quarta-feira, 27 de junho de 2018

Temperamentos

Eu não me acho preparada para ficar falando sobre temperamentos, mas posso, aqui, fazer um breve relato de como aprender um pouco sobre este assunto me ajudou no convívio com as crianças.
A primeira vez que escutei falar sobre temperamentos foi em uma aula do Rafael Falcon (As Crianças e o Trivium - link AQUI). Até então, temperamento, para mim, era sinônimo de humor, só que um pouco menos mutável.
Despertado o interesse, comecei a pesquisar sobre o assunto. Isso foi em 2014, logo que começamos a pensar em educação domiciliar. Comprei um livro da Editora Quadrante, Conheça Seu Filho, de Anna Maria Costa. Ali eu consegui saber bem por alto quais eram os tipos de temperamentos, alguns pontos fortes e fracos, mas permaneci completamente perdida, porém MUITO interessada no assunto.


Comprei, então, o livro Temperamento Controlado Pelo Espírito, de Tim Lahaye. Este livro me fez entender melhor sobre cada temperamento e me fez enxergar algumas características em cada pessoa daqui de casa. Meu desejo não era apenas "enquadrar" cada um, mas sobretudo trabalhar seus pontos fortes e fracos usando-os sempre a nosso favor. Esta peregrinação me fez conhecer e compreender meu temperamento, o que já ajudou MUITO na minha relação com as crianças. 



A questão do temperamento, mais do que me ajudar a compreender o dos nossos filhos, me fez entender o meu e, assim, tentar sabotar minhas fraquezas ao ponto de mantê-las controladas. Depois de ler estes dois livros, ainda havia (e óbvio que ainda há) lacunas que eu não compreendia e, tão pouco, sabia como preencher. Foi quando eu assisti uma aula do Dr. Ítalo Marsili do curso Afetividade e Harmonia Familiar (Link para o Curso AQUI) que, ouso dizer, foi um marco para o entendimento dos temperamentos das crianças, sobretudo o de Sophia, cujo traço melancólico eu ignorava.

Prossegui o meu estudo com um PDF do Rev. Conrado Hock que alguém me enviou no Instagram. Com uma linguagem bastante simples, este PDF agregou mais algumas informações importantes para que eu me conhecesse e conhecesse melhor os meus. Consegui encontrar o PDF gratuito na internet, por isso disponibilizei ele no meu Google Drive (AQUI). 

Mais do que fazer um estudo comparado com os diversos livros que li, o meu estudo busca tão somente o conhecimento necessário para meu crescimento e para que eu possa me servir inclusive de minhas fraquezas neste processo. Eu olho para o temperamento como uma herança irrenunciável e, portanto, algo que preciso conhecer e tentar manter sob controle. Se para mim este caminho é por demais difícil, que dirá para as crianças, que contam com o tempero da imaturidade para dificultar ainda mais o processo.

Na seqüência de leituras, veio Como Desenvolver o Temperamento de Seus Filhos. Neste livro encontrei descrições tão precisas que por vezes pensei que a autora estivesse falando ora de mim, ora de nossos filhos. Foi um livro muito difícil de encontrar (consegui no Mercado Livre), mas que valeu cada centavo de tempo e dinheiro investidos. Um dos pontos positivos deste livro, para mim, foram as descrições dos temperamentos mistos. Embora tenhamos um temperamento predominante, o conhecimento deste secundário pode ser a chave para "Abrir as portas da Esperança". Aqui, com Sophia, isso foi FUNDAMENTAL e, desde então, lido com muito mais jogo de cintura com as suas "crises".



Em Temperamentos Transformados, Tim Lahaye nos apresenta quatro personagens bíblicos como exemplo para a mudança possível e desejada. Nos alimenta da esperança de que "Deus não está tão interessado em mudar circunstâncias, como em transformar pessoas". Este livro me fez acreditar que muito mais do que apenas manter meu temperamento sob controle, Deus pode mudá-lo, lembrando sempre que "esta mudança não depende do conhecimento dos quatro temperamentos, mas da plenitude do Espírito". 




Ainda tenho outras obras para ler por aqui, mas por enquanto dei uma breve pausa para suprir lacunas mais urgentes. Com o conhecimento que este breve estudo me trouxe, pude observar uma mudança considerável em mim e na minha forma de conduzi-los no nosso cotidiano. A simples forma de falar já pode ser um ponto gatilho e, ao identificá-lo, evito os incêndios ao invés de correr para apagá-los. 

Compreender o lado melancólico de Sophia me trouxe uma paciência nunca experimentada, ainda que em determinados momentos de conflitos eu praticamente esqueça das orientações e acabe tendo que trabalhar de maneira corretiva e não preventiva. Com Gabriel, aprendi a ceder sem achar que estou sendo fraca, dividindo com ele as escolhas, fazendo com que a sua resistência à cooperação, assim, diminua um pouco. Já Beatriz, ainda segue sem um enquadramento específico, ainda que eu já tenha minhas suspeitas.

A verdade é que tão - ou mais - importante que o conhecimento do temperamento deles, conhecer o meu próprio foi fundamental no nosso caminho da Educação Domiciliar. Porque nada é mais eficiente que o exemplo. O caminho a percorrer ainda é tão grande que eu sequer vislumbro o final, se é que ele existe. Mas eu já consigo colher alguns frutos e visualizar alguns avanços no nosso dia a dia. Se antes o remorso e o arrependimento eram meus companheiros quase inseparáveis por conta de meus rompantes coléricos, hoje eu já sobrevivo vários dias sem experimentá-los. Agradeço eu, agradecem eles e agradece também a nossa família que, embora MUITO distante do desejável, segue buscando melhorar a cada dia.

Que Deus siga nos transformando para que possamos, através do Seu agir em nós, encontrar a Paz que excede todo o entendimento. 

Fiquem com Deus!

Waleska Montenegro.




3 comentários:

  1. Seus posts e blog tem sido um achado pra mim! Que o desânimo e nem as dificuldades te tirem do caminho. Pois vc é sua família tem edificado vidas.

    ResponderExcluir
  2. Confesso que desconhecia esse mundo dos temperamentos, me interessei muito, sobretudo porque tenho 03 filhos pequenos. Obrigada pelas dicas de leitura e por compartilhar o conhecimento adquirido. Deus abençoe você e sua família.

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigada Waleska, por expor a sua vontade em evoluir como ser humano pensante e nas necessidades da sua família....

    ResponderExcluir